Posted by: guyveloso | 12 de July de 2012

Mostra ‘Documental imaginário’ destaca o ‘realismo fantástico’ em imagens contemporâneas (O GLOBO)

Mostra ‘Documental imaginário’ destaca o ‘realismo fantástico’ em imagens contemporâneas

23.072012 – O GLOBO.

http://oglobo.globo.com/cultura/mostra-documental-imaginario-destaca-realismo-fantastico-em-imagens-contemporaneas-5553203

Guy Veloso_Afrobrasileiros_documental imaginário fotografoa documental candomble umbanda

Guy Veloso. Ritual de Umbanda. Belém-PA, 2011. Slide.

Fotos de Guy Veloso. Mostra Documental Imaginário. Curadoria Ede

Fotos de Guy Veloso (75cmX115cm cada) na parede.

RIO – É impossível registrar a realidade. A fotografia, que talvez pudesse dar conta do feito, não consegue: além da tendência a ficcionalizar, transforma o tridimensional em bidimensional. Por outro lado, como afirma o fotógrafo Eder Chiodetto, o componente ficcional cria uma dialética interessante com a realidade. É a partir dessa proposta que ele trabalha a curadoria da exposição “Documental imaginário”, que o Oi Futuro Flamengo abre hoje, às 19h30m, junto com a mostra “Predicament — Situações difíceis”, do francês Fabien Rigobert.

Em vez de respostas, perguntas

Já no título da mostra, Chiodetto, também pesquisador e curador do Clube de Colecionadores de Fotografia do MAM de São Paulo, quer expor a tensão entre dois âmbitos (o real e o imaginário) que, aparentemente, são, como ele diz, água e óleo. Reunindo trabalhos de nove fotógrafos brasileiros contemporâneos, entre eles Fábio Messias, Gustavo Pellizzon e Fernanda Rappa, ele pretende mostrar como a fotografia se apropria da dimensão ficcional para dialogar com o real.

— A partir do momento em que se constata que a fotografia tende à ficção, e com fotógrafos amadores se apropriando de câmeras e programas de tratamento de imagem, o caráter errático da fotografia começa a ser de domínio público — diz o curador.

Ele afirma que, “quando o caráter documental da foto vai por água abaixo, os fotógrafos passam a explorar mais sua mística de ficção”.

— Diria que essa fotografia não propõe respostas, mas passa a perguntar — completa.

Entre as imagens da exposição no Oi Futuro, há, por exemplo, registros de uma festa de candomblé feitos pelo paraense Guy Veloso, em que o fotógrafo parece ser parte da situação, sem lançar um olhar estrangeiro sobre ela. Cores, contrastes e pontos desfocados evidenciam o aspecto imaginário da festa. As fotos de Veloso, aliás, foram expostas na última Bienal de São Paulo, em 2010.

— Ele mostra o candomblé com representações orgânicas, instáveis e cheias de movimento, como quem observa de dentro do acontecimento — explica Chiodetto.

Já o trabalho de Fernanda Rappa, nascida em Jundiaí, no interior de São Paulo, e radicada em Berlim, expõe a discussão da apropriação da natureza pelo homem. Na foto “Comum desacordo”, de 2011, ela registra uma construção sendo tomada pela vegetação.

— Há um tom de retorno ao nostálgico nas imagens dela. Parece nos mostrar como nós, urbanos melancólicos, voltamos à natureza de forma fetichista — afirma o curador.

Já o fotógrafo mineiro João Castilho cria um hotel imaginário a partir de imagens de hotéis reais. Em seu mosaico de fotos, as imagens se aproximam pela semelhança das cores. Trata-se, como define Chiodetto, de um “documental oblíquo”, algo como “escrever uma crônica, e não uma reportagem”.

Chiodetto pesquisa fotografia há 15 anos e colabora com importantes coleções do país, como a do banco Itaú. É ele, aliás, quem assina a curadoria da mostra “Coleção Itaú de Fotografia Brasileira”, em cartaz no Paço Imperial até o dia 5 de agosto. Em seus estudos, conta, percebeu que a vertente “documental imaginária” é mais frequente na América Latina e, em especial, no Brasil.

— É muito próprio da cultura nacional fazer essa mistura de elementos. Não vejo muitos europeus trabalhando dessa forma. É uma vertente muito original e brasileira, uma força que vejo surgir aqui e que associo à proximidade com o realismo fantástico da literatura de Gabriel García Márquez ou o cinema do mexicano Alejandro González Iñárritu (diretor de “Babel” e “Amores brutos”).

A discussão proposta por Chiodetto na exposição é o mote da tese de mestrado de Kátia Lombardi na Universidade Federal de Minas Gerais. No dia 28 de agosto, ela, Chiodetto e Milton Guran, coordenador-geral do FotoRio — Encontro Internacional de Fotografia do Rio de Janeiro, debatem o tema, como parte da mostra, no Oi Futuro.

© 1996 – 2012. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A.


Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

Categories

%d bloggers like this: